Seguidores

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Conversão de São Paulo

25 de janeiro

O apóstolo dos gentios e das nações nasceu em Tarso. Da tribo de Benjamim, era judeu de nação. Tarso era mais do que uma colônia de Roma, era um município. Logo, ele recebeu também o título de cidadão romano. O seu pai pertencia à seita dos fariseus. Foi neste ambiente, em meio a tantos títulos e adversidades, que ele foi crescendo e buscando a Palavra de Deus.

Combatente dos vícios, foi um homem fiel a Deus. Paulo de Tarso foi estudar na escola de Gamaliel, em Jerusalém, para aprofundar-se no conhecimento da lei, buscando colocá-la em prática. Nessa época, conheceu o Cristianismo, que era tido como um seita na época. Tornou-se, então, um grande inimigo dessa religião e dos seguidores desta. Tanto que a Palavra de Deus testemunha que, na morte de Santo Estevão, primeiro mártir da Igreja, ele fez questão de segurar as capas daqueles que o [Santo Estevão] apedrejam, como uma atitude de aprovação. Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo. O intrigante é que ele pensava estar agradando a Deus. Ele fazia seu trabalho por zelo, mas de maneira violenta, sem discernimento. Era um fariseu que buscava a verdade, mas fechado à Verdade Encarnada. Mas Nosso Senhor veio para salvar todos.

Encontramos, no capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos, o testemunho: "Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes e pediu-lhes cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos, a Jerusalém, todos os homens e mulheres que seguissem essa doutrina. Durante a viagem, estando já em Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: 'Saulo, Saulo, por que me persegues?'. Saulo então diz: 'Quem és, Senhor?'. Respondeu Ele: 'Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão'. Trêmulo e atônito, disse Saulo: 'Senhor, que queres que eu faça?' respondeu-lhe o Senhor: 'Levanta-te, entra na cidade, aí te será dito o que deves fazer'". 

O interessante é que o batismo de Saulo é apresentado por Ananias, um cristão comum, mas dócil ao Espírito Santo.

Hoje estamos comemorando o testemunho de conversão de São Paulo. Sua primeira pregação foi feita em Damasco. Muitos não acreditaram em sua mudança, mas ele perseverou e se abriu à vontade de Deus, por isso se tornou um grande apóstolo da Igreja, modelo de todos os cristãos. 

São Paulo de Tarso, rogai por nós!



Fonte:cançãonova.com


Para colorir:










quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Mensagem do Papa Bento XVI para o 47º Dia Mundial das Comunicações Sociais


Redes Sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização





Amados irmãos e irmãs,

Encontrando-se próximo o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2013, desejo oferecer-vos algumas reflexões sobre uma realidade cada vez mais importante que diz respeito à maneira como as pessoas comunicam actualmente entre si; concretamente quero deter-me a considerar o desenvolvimento das redes sociais digitais que estão a contribuir para a aparição duma nova ágora, duma praça pública e aberta onde as pessoas partilham ideias, informações, opiniões e podem ainda ganhar vida novas relações e formas de comunidade.

Estes espaços, quando bem e equilibradamente valorizados, contribuem para favorecer formas de diálogo e debate que, se realizadas com respeito e cuidado pela privacidade, com responsabilidade e empenho pela verdade, podem reforçar os laços de unidade entre as pessoas e promover eficazmente a harmonia da família humana. A troca de informações pode transformar-se numa verdadeira comunicação, os contactos podem amadurecer em amizade, as conexões podem facilitar a comunhão. Se as redes sociais são chamadas a concretizar este grande potencial, as pessoas que nelas participam devem esforçar-se por serem autênticas, porque nestes espaços não se partilham apenas ideias e informações, mas em última instância a pessoa comunica-se a si mesma.

O desenvolvimento das redes sociais requer dedicação: as pessoas envolvem-se nelas para construir relações e encontrar amizade, buscar respostas para as suas questões, divertir-se, mas também para ser estimuladas intelectualmente e partilhar competências e conhecimentos. Assim as redes sociais tornam-se cada vez mais parte do próprio tecido da sociedade enquanto unem as pessoas na base destas necessidades fundamentais. Por isso, as redes sociais são alimentadas por aspirações radicadas no coração do homem.

A cultura das redes sociais e as mudanças nas formas e estilos da comunicação colocam sérios desafios àqueles que querem falar de verdades e valores. Muitas vezes, como acontece também com outros meios de comunicação social, o significado e a eficácia das diferentes formas de expressão parecem determinados mais pela sua popularidade do que pela sua importância intrínseca e validade. E frequentemente a popularidade está mais ligada com a celebridade ou com estratégias de persuasão do que com a lógica da argumentação. Às vezes, a voz discreta da razão pode ser abafada pelo rumor de excessivas informações, e não consegue atrair a atenção que, ao contrário, é dada a quantos se expressam de forma mais persuasiva. Por conseguinte os meios de comunicação social precisam do compromisso de todos aqueles que estão cientes do valor do diálogo, do debate fundamentado, da argumentação lógica; precisam de pessoas que procurem cultivar formas de discurso e expressão que façam apelo às aspirações mais nobres de quem está envolvido no processo de comunicação. Tal diálogo e debate podem florescer e crescer mesmo quando se conversa e toma a sério aqueles que têm ideias diferentes das nossas. «Constatada a diversidade cultural, é preciso fazer com que as pessoas não só aceitem a existência da cultura do outro, mas aspirem também a receber um enriquecimento da mesma e a dar-lhe aquilo que se possui de bem, de verdade e de beleza» (Discurso no Encontro com o mundo da cultura, Belém, Lisboa, 12 de Maio de 2010).

O desafio, que as redes sociais têm de enfrentar, é o de serem verdadeiramente abrangentes: então beneficiarão da plena participação dos fiéis que desejam partilhar a Mensagem de Jesus e os valores da dignidade humana que a sua doutrina promove. Na realidade, os fiéis dão-se conta cada vez mais de que, se a Boa Nova não for dada a conhecer também no ambiente digital, poderá ficar fora do alcance da experiência de muitos que consideram importante este espaço existencial. O ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade quotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens. As redes sociais são o fruto da interacção humana, mas, por sua vez, dão formas novas às dinâmicas da comunicação que cria relações: por isso uma solícita compreensão por este ambiente é o pré-requisito para uma presença significativa dentro do mesmo.

A capacidade de utilizar as novas linguagens requer-se não tanto para estar em sintonia com os tempos, como sobretudo para permitir que a riqueza infinita do Evangelho encontre formas de expressão que sejam capazes de alcançar a mente e o coração de todos. No ambiente digital, a palavra escrita aparece muitas vezes acompanhada por imagens e sons. Uma comunicação eficaz, como as parábolas de Jesus, necessita do envolvimento da imaginação e da sensibilidade afectiva daqueles que queremos convidar para um encontro com o mistério do amor de Deus. Aliás sabemos que a tradição cristã sempre foi rica de sinais e símbolos: penso, por exemplo, na cruz, nos ícones, nas imagens da Virgem Maria, no presépio, nos vitrais e nos quadros das igrejas. Uma parte consistente do património artístico da humanidade foi realizado por artistas e músicos que procuraram exprimir as verdades da fé.


A autenticidade dos fiéis, nas redes sociais, é posta em evidência pela partilha da fonte profunda da sua esperança e da sua alegria: a fé em Deus, rico de misericórdia e amor, revelado em Jesus Cristo. Tal partilha consiste não apenas na expressão de fé explícita, mas também no testemunho, isto é, no modo como se comunicam «escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele» (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2011). Um modo particularmente significativo de dar testemunho é a vontade de se doar a si mesmo aos outros através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana. A aparição nas redes sociais do diálogo acerca da fé e do acreditar confirma a importância e a relevância da religião no debate público e social.

Para aqueles que acolheram de coração aberto o dom da fé, a resposta mais radical às questões do homem sobre o amor, a verdade e o sentido da vida – questões estas que não estão de modo algum ausentes das redes sociais – encontra-se na pessoa de Jesus Cristo. É natural que a pessoa que possui a fé deseje, com respeito e tacto, partilhá-la com aqueles que encontra no ambiente digital. Entretanto, se a nossa partilha do Evangelho é capaz de dar bons frutos, fá-lo em última análise pela força que a própria Palavra de Deus tem de tocar os corações, e não tanto por qualquer esforço nosso. A confiança no poder da acção de Deus deve ser sempre superior a toda e qualquer segurança que possamos colocar na utilização dos recursos humanos. Mesmo no ambiente digital, onde é fácil que se ergam vozes de tons demasiado acesos e conflituosos e onde, por vezes, há o risco de que o sensacionalismo prevaleça, somos chamados a um cuidadoso discernimento. A propósito, recordemo-nos de que Elias reconheceu a voz de Deus não no vento impetuoso e forte, nem no tremor de terra ou no fogo, mas no «murmúrio de uma brisa suave» (1 Rs 19, 11-12). Devemos confiar no facto de que os anseios fundamentais que a pessoa humana tem de amar e ser amada, de encontrar um significado e verdade que o próprio Deus colocou no coração do ser humano, permanecem também nos homens e mulheres do nosso tempo abertos, sempre e em todo o caso, para aquilo que o Beato Cardeal Newman chamava a «luz gentil» da fé.

As redes sociais, para além de instrumento de evangelização, podem ser um factor de desenvolvimento humano. Por exemplo, em alguns contextos geográficos e culturais onde os cristãos se sentem isolados, as redes sociais podem reforçar o sentido da sua unidade efectiva com a comunidade universal dos fiéis. As redes facilitam a partilha dos recursos espirituais e litúrgicos, tornando as pessoas capazes de rezar com um revigorado sentido de proximidade àqueles que professam a sua fé. O envolvimento autêntico e interactivo com as questões e as dúvidas daqueles que estão longe da fé, deve-nos fazer sentir a necessidade de alimentar, através da oração e da reflexão, a nossa fé na presença de Deus e também a nossa caridade operante: «Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine» (1 Cor 13, 1).

No ambiente digital, existem redes sociais que oferecem ao homem actual oportunidades de oração, meditação ou partilha da Palavra de Deus. Mas estas redes podem também abrir as portas a outras dimensões da fé. Na realidade, muitas pessoas estão a descobrir – graças precisamente a um contacto inicial feito on line – a importância do encontro directo, de experiências de comunidade ou mesmo de peregrinação, que são elementos sempre importantes no caminho da fé. Procurando tornar o Evangelho presente no ambiente digital, podemos convidar as pessoas a viverem encontros de oração ou celebrações litúrgicas em lugares concretos como igrejas ou capelas. Não deveria haver falta de coerência ou unidade entre a expressão da nossa fé e o nosso testemunho do Evangelho na realidade onde somos chamados a viver, seja ela física ou digital. Sempre e de qualquer modo que nos encontremos com os outros, somos chamados a dar a conhecer o amor de Deus até aos confins da terra.

Enquanto de coração vos abençoo a todos, peço ao Espírito de Deus que sempre vos acompanhe e ilumine para poderdes ser verdadeiramente arautos e testemunhas do Evangelho. «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15).


Vaticano, 24 de janeiro, festa de São Francisco de Sales, do ano de 2013.


BENEDICTUS PP XVI




Da redação do Portal Ecclesia.



domingo, 20 de janeiro de 2013

São Sebastião






Esse jovem mártir, nascido em Milão oferece a imagem popular da iconografia com o corpo atravessado por flechas. Era um valoroso capitão do exército romano. 

Sofreu o martírio sob o reinado de Diocleciano. 

Cristão convicto e ativo, tudo fazia ajudar os irmãos na fé e trazer ao Deus verdadeiro soldados e prisioneiros. 

O próprio governador de Roma, Cromácio, e seu filho Tibúrcio foram por ele convertidos e confessaram a fé mediante o martírio. 

Denunciado como cristão, São Sebastião foi levado perante o imperador para se justificar. Ele confessou publicamente a sua fé. 

Acusado de traição à pátria, foi condenado à morte. Amarrado a um tronco, foi varado por flechas, na presença da guarda. 

São Sebastião conseguiu sobreviver e corajosamente se apresentou ao imperador, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos, acusando-os de inimigos do Estado. Incitou o imperador para que os deixasse em paz 

Diocleciano, entretanto, permaneceu surdo a seus apelos, mandou açoitá-lo até a morte e lançou seu corpo em uma cloaca.. Isto aconteceu por volta do ano de 284. 

São Sebastião testemunhou corajosamente que o Senhor é o único Deus e somente a Ele devemos obediência e temor reverente. 

Como no tempo de São Sebastião, são tantos também hoje os “senhores”, os ídolos que reclamam nossa obediência incondicional. Para dominar as consciências e os corpos, recorrem à força, à tortura, aprisionando-nos no medo e sujeitando-nos à escravidão. 

Mas Deus, com braço poderoso, outrora tirou o seu povo cativo do Egito e celebrou com ele a Páscoa da Libertação. E assim também, por intercessão de São Sebastião, Ele não nos deixará à mercê dos ídolos, dos falsos deuses que nos esvaziam e roubam de nós a dignidade a liberdade de filhos de Deus. 

Que São Sebastião nos livre da peste, da fome e da guerra! E proteja todas as lavouras e rebanhos! 


Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

17 de janeiro - Santo Antonio do Deserto ou Antão do Egito

Antão nasceu no Egito, em 251. Era o primogênito de uma família cristã de camponeses abastados e tinha apenas uma irmã. Numa missa foi tocado pela mensagem do Evangelho: "Vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro nos céus. Depois, vem e me segue". Foi exatamente o que ele fez. Distribuiu tudo o que tinha aos pobres, consagrou sua irmã ao estado de virgem cristã e se retirou para um deserto.
Passou a viver na oração e na penitência, dedicado exclusivamente à Deus. Como era muito procurado, decidiu se retirar ainda para mais longe, vivendo numa gruta abandonada, por dezoito anos. 

Aos cinqüenta e cinco anos, atendeu o pedido de seus discípulos, abandonando o isolamento do deserto. Com isto, nasceu uma forma curiosa de eremitas, os discípulos viviam solitários, cada um em sua cabana, mas todos em contato e sob a direção espiritual de Antonio.Passou a ser o modelo do monge recluso e chamado, até hoje, de "pai dos monges cristãos".

Ele também profetizou sua morte, depois de uma última visão de Deus com seus santos, que ocorreu aos cento e cinco anos, em 17 de janeiro de 356. 

Reflexão:

Límpida era a constituição de sua alma. Ele nem se tornou carrancudo por meio do mau humor nem dava vazão à sua alegria, como também não precisou lutar com o riso e a timidez. Ao ver a multidão, não ficava perturbado e, quando tantas pessoas o saudavam, ele não se alegrava, mas ficava perfeitamente igual em si mesmo, como alguém que a razão governa e que se encontra em seu estado natural. É assim que ele é caracterizado por Santo Atanásio, que escreveu sua biografia, contando os detalhes de suas provações, sofrimentos e milagres. 

Oração:

Deus, doador da vida verdadeira, permite-me perseverar sempre na prática de tua palavra, e já que te conheci pela pregação do Evangelho, dá-me a graça de amar-te cada dia mais intensamente. Amém.


Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR


sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

VEM AÍ, MAIS UM CATOLIC FOLIA!!




ARTE: TONY VICTOR DINIZ

Campanha da Fraternidade 2013

Tema: Fraternidade e Juventude
Lema: Eis-me aqui, envia-me!
(Is 6,8)



Objetivo Geral
Acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção da vida, da justiça e da paz.

Objetivos específicos

1 - Propiciar aos jovens um encontro pessoal com Jesus Cristo a fim de contribuir para sua vocação de discípulo missionário e para a 
elaboração de seu projeto pessoal de vida;

2 - Possibilitar aos jovens uma participação ativa na comunidade eclesial, que lhes seja apoio e sustento em sua caminhada, para que eles possam contribuir com seus dons e talentos;

3 - Sensibilizar os jovens para serem agentes transformadores da sociedade, protagonistas da civilização do amor e do bem comum.

Explicação do Cartaz CF 2013

A igreja, ao iniciar esta caminhada quaresmal, tem os olhos fitos na cruz, donde emana a comunicação do amor de Deus por nós, na entrega de Jesus Cristo, para que nele tenhamos a vida (cf. Jo 10,10). Este gesto do Senhor é redentor, pois Ele vence todos os males e mortes que nos afligem nos salva e descortina para nós um horizonte de esperança expresso no rosto da jovem.

A cruz convida à fraternidade entre todos os povos, raças e nações, representações pelas diferentes cores e linhas que a percorrem. As tags, vistas no alto do cartaz, acenam para a comunicação rápida, a circulação de informação e as novas ambiências para encontros, as quais devem ser perpassadas pela mensagem libertadora da cruz e contribuir para o projeto de uma sociedade justa e solidária, segundo o Reino.

A Igreja com essa Campanha, cujo tema é "Fraternidade e Juventude", chama a atenção para os desafios dos jovens na edificação do projeto de Deus, dentro do contexto de mudança de época. É um período marcado pela instabilidade dos critérios de compreensão e dos valores (DGAE, n. 20), pelas novas possibilidades de interação e desigualdade de oportunidades, com forte reflexo na vida dos jovens, quer das cidades, quer do campo.

A jovem, de braços abertos em forma de cruz, representa os que são transformados pela jovialidade comunicada pela ressurreição de Jesus, a boa nova por excelência, que nos fortalece. É com esse vigor que a jovem responde ao chamado de Deus, repetindo as palavras do profeta Isaías: "Eis-me aqui. Envia-me!" (Is 6,8). 


Oração oficial da CF 2013

Pai santo, vosso Filho Jesus,
conduzido pelo Espírito
e obediente à vossa vontade,
aceitou a cruz como prova de amor à humanidade.

Convertei-nos e, nos desafios deste mundo,
tornai-nos missionários
a serviço da juventude.

Para anunciar o Evangelho como projeto de vida,
enviai-nos, Senhor;
para ser presença geradora de fraternidade,
enviai-nos, Senhor;
para ser profetas em tempo de mudança,
enviai-nos, Senhor;
para promover a sociedade da não violência,
enviai-nos, Senhor;
para salvar a quem perdeu a esperança,
enviai-nos, Senhor;
para...


Hino CF 2013  (ouça a música)
Letra:Gerson César Sousa
Música:Gil Ferreira e Daniel Victor Santos
1. Sei que perguntas, juventude, de onde veio
Teu belo jeito sempre novo e verdadeiro.
Eu fiz brotar em ti desde o materno seio (Cf. Jr 1,5)
Essa vontade de mudar o mundo inteiro.

Estou aqui, meu Senhor, sou jovem, sou teu povo!
Eu tenho fome de justiça e de amor, (Cf. Mt 5,6)
Quero ajudar a construir um mundo novo.
Estou aqui, meu Senhor, sou jovem, sou teu povo!
Para formar a rede da fraternidade,
E um novo céu, uma nova terra, a tua vontade.
(Cf. Ap 21,1; 2Pd 3,13)
Eis-me aqui, envia-me Senhor! (2x)(Is 6,8)

2. Levem a todos meu chamado à liberdade (Cf. Gl 5,13)
Onde a ganância gera irmãos escravizados.
Quero a mensagem que humaniza a sociedade
Falada às claras, publicada nos telhados (Cf. Mt 10,27).

3. Para salvar a quem perdeu a esperança
Serei a força, plena luz a te guiar.
Por tua voz eu falarei, tem confiança,
Não tenhas medo, novo Reino a chegar!
(Cf. Jr 1,4-10; Mt3,2; 19,11-27)


Fonte:

http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/2013/campanhadafraternidade2013_informacoes.asp
http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/2013/campanhadafraternidade2013_historia.asp

Festa do Batismo de Jesus




A liturgia neste tempo Natalício-epifânico nos propõe para celebrarmos o Batismo do Senhor. 


Mas o que significa esta festa?

Primeiramente quer render graças ao Pai pelo envio de seu amado Filho na força do Espírito Santo. Depois, quer reforçar nosso compromisso batismal. A Iniciação Cristã é composta de três etapas de um mesmo Mistério: Batismo, Crisma e Eucaristia. Nosso ser cristão inicia com o Batismo e termina com a Eucaristia. Mas você notou que a ordem dos sacramentos está diferente?


No início do cristianismo a Iniciação cristã era realizada depois de um tempo longo de preparação (as vezes 3 anos), que começava na Quaresma e era celebrado na Noite Santo da Vigília Pascal. Na Noite Santa da Vigília os catecúmenos aproximavam da piscina batismal e eram mergulhados três vezes nas águas, ao saírem eram ungidos com o Santo Óleo que conferia o Crisma e depois, participava da Prece Eucarística comungando do Corpo e Sangue do Senhor. Como visto, a ordem dos sacramentos era: primeiro o batismo, depois o Crisma e por fim, a Eucaristia! No passar do tempo a ordem foi sendo alterada e não mais se recebiam os três sacramentos na mesma celebração. Contudo, o RICA (Ritual de Iniciação Cristã de Adultos) propõe a recuperação do catecumenato e das etapas para a receber a Iniciação. As catequistas deveriam conhecer o RICA, que tal nas reuniões estudarem juntos o RICA?

A festa litúrgica do Batismo do Senhor deve ser bem vivida na catequese. Como pista pastoral-catequética propomos:

1. apresentar os elementos do Batismo (Fonte Batismal, o Círio Pascal, os Santos Óleos).

2. apresentar os Sacramentos do Batismo, do Crisma e da Eucaristia como etapas de uma caminhada para sermos cristãos. Portanto, os três sacramentos são como que três degraus para sermos cristãos.

3. pensar na catequese cristã como um tempo catecumenal sério e compromisso com a Igreja.

Por fim, apresento uma catequese mistagógica sobre a Pia/fonte batismal:

Pia BatismalNas igrejas antigas (e até em igrejas modernas, pois este costume está sendo retomado) a Pia Batismal era colocada na ...porta de entrada do Templo Sagrado, para mostrar que o Batismo é de fato o Sacramento que nos introduz o fiel na vida da Igreja. Podemos comparar a Pia Batismal ao útero da mulher. O útero é o lugar onde se gera e se desenvolve a vida humana, em meio a líquidos. É o lugar onde por meio do período da gestação o feto se desenvolve até a sua completa formação. Da mesma forma a Pia Batismal é o lugar aonde se gera filhos para Deus Pai e para a Mãe Igreja. A mulher é a Igreja, a pia batismal é o útero que gera vida nova em meio a águas (líquidos).

Que a festa litúrgica do Batismo do Senhor nos anime a viver nosso batismo com fidelidade. E que as catequistas façam de seus encontros catequéticos espaços de encontro pessoal com Cristo!

Vanderson de Sousa Silva


Manual de Instruções da Semana Missionária JMJ Rio 2013.


Com o objetivo de orientar e sugerir a preparação da Semana Missionária nas diferentes dioceses do Brasil, as Edições CNBB lançaram o Manual de Instruções da Semana Missionária JMJ Rio 2013. Baseado no tripé: espiritualidade, cultura e ação social (solidariedade missionária), o evento será realizado no Rio de Janeiro entre os dias 17 e 20 de julho, antecedendo a próxima edição da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que acontecerá entre os dias 23 e 28 do mesmo mês.

Na apresentação do Manual, o presidente da Comissão Especial para JMJ e secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner, e o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, dom Eduardo Pinheiro da Silva, falam sobre a importância do documento: "Ele quer ser uma contribuição, uma sugestão para a dinamização da Semana Missionária, segundo as indicações do Pontifício Conselho para os Leigos, na esperança de que a Semana Missionária seja um acontecimento frutuoso para nossas Igrejas Particulares, para nossas comunidades", pontuaram.

Elaborado pelas Comissões Pastorais da CNBB, sob a coordenação da Comissão Especial da CNBB para a Jornada Mundial da Juventude, o subsídio propõe uma programação concreta, que pode ser seguida em cada diocese, e ainda transmite as orientações gerais para o evento de forma clara e objetiva, com gráficos, frases e fotos, sem perder a jovialidade.

"Nesta Semana Missionária em especial, vocês são chamados a colocarem em prática o que desde o batismo receberam. Com certeza, esta Semana Missionária irá aguçar seu espírito para estarem sempre prontos para a missão, que não é uma moda que passará, mas que deverá ser vivida dia a dia em sua comunidade, em estado permanente. Assim, sejamos jovens sempre conectados à vontade de Deus que nos pergunta: Quem enviarei? E sem medo responderemos: Eis-me aqui, envia-me!", escreveu o padre Marcelo Gualberto, das Pontifícias Obras Missionárias, no Manual.

Como fazer uma visita missionária a uma casa? O que fazer antes, durante e depois da visita? Como abençoar uma casa? O Manual de Instrução também traz as respostas dessas e de outras questões práticas, incluindo, ainda, os contatos de todos os padres referenciais dos Regionais da CNBB para a Semana Missionária e anexos.

Ainda no documento, o coordenador nacional da Semana Missionária (JMJ Rio2013) e assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB, padre Carlos Sávio da Costa Ribeiro, recordou os objetivos do evento.

"Um dos objetivos é o acolhimento no país, para que o peregrino faça uma experiência com a Igreja no Brasil. É também o desejo de preparar as dioceses brasileiras para a JMJ, mobilizando todo o país a entrar no tema proposto para a Jornada: Missão. Por isso, propõe-se uma experiência missionária, que conjugue o anúncio de Jesus Cristo e o serviço às pessoas. Uma proposta que não consta na programação, mas foi um pedido feito pelo Pontifício Conselho para os Leigos, é que sejam proporcionados aos jovens, durante a Semana Missionária, de forma paralela às atividades que serão realizadas, momentos do sacramento da reconciliação. Cada diocese deve pensar na melhor forma de preparar este momento ao longo da programação, dando oportunidade para aqueles que desejarem buscar o Sacramento", ressaltou.


O Manual de Instruções da Semana Missionária JMJ Rio2013 pode ser adquirido pelo site das Edições CNBB: www.edicoescnbb.com.br.


Fonte CNBB

Catequistas Unidos 2013!!!

Que neste  Ano de 2013, possamos continuar levando a todos o amor de Jesus Cristo, com fé e humildade no coração, que os blogs abaixo sejam perseverantes  nos  ensinamentos e  fortalecidos com o teu Espírito Santo.

                                                 Amém!

LISTA ATUALIZADA!!!


1. CATEQUESE NA NET por Claudia de Jesus Pinheiro
http://www.catequesenanet.com.br/

2 CATEQUISTA ADELINO E AMIGOS por Adelino Vieira
http://adelinovieira.blogspot.com.br/

3 BLOG AMANDO A CATEQUESE por Renata Furlan
http://amandoacatequese.blogspot.com.br/

4 CATEQUESE COM CRIANÇAS por Jonathan Cruz
http://catequesecomcriancas.blogspot.com.br/

5 CATEQUESE CASA FORTE por Tereza Diniz
http://catequesecasaforte.blogspot.com.br/

6 CATEQUESE SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS por Cassia Neves
http://catequesedocoracaodejesus.blogspot.com.br/

7 CATEQUISTA ROBERTO por Roberto Garcia
http://www.catequistaroberto.com.br/

8 CATEQUIZANDO COM AMOR por Érica Magro
http://ericamagropires.blogspot.com.br/

9 ESCOLA DA FÉ CASA FORTE por Tereza Diniz
http://escoladafecasaforte.blogspot.com.br/

10 SOU CATEQUISTA DE IVC por Imaculada Cintra
http://imaculadacintra.blogspot.com.br/

11 JARDIM DA FÉ por Cristiane
http://jardimdafe.blogspot.com.br/

12 BLOG DA NENA por Blog da Nena
http://oblgdanena.blogspot.com.br/

13 PÃOZINHO DO CÉU por Sueli
http://paozinhodoceumaria.blogspot.com.br/

14 SEMEANDO CATEQUESE pela Catequista Sheila
http://semeandocatequese.blogspot.com.br/

15 PERSEVERANÇA N.S. AMPARO por Abílio Gonçalves
http://catequista.net/blog/blog2.php

16 CAMINHANDO COM JESUS por Edriely
http://pequenosfilhosdemaria.blogspot.com.br/

17 PRÉ-CATEQUESE por Ivani
http://wwwblogdaprecatequese.blogspot.com.br/

18 UM SIMPLES SERVO DE CRISTO por Seminarista Anderson Ribeiro
http://andersonribeiro18.blogspot.com.br/

19 PARA JESUS COMICS por Alexandre Pinheiro
http://parajesuscomics.blogspot.com.br/

20 CATEQUIZANDO COM JESUS por Patrícia S. Bonot
http://www.catequizandocomjesus.com.br/

21 CATEQUISTA AMADORA por Angela Rocha
http://catequistaamadora.blogspot.com.br/

22 COM JESUS E COM MARIA por Marcia
http://marcinha-criandoarte.blogspot.com.br/

23 TIA HELENA NO CORAÇÃO DE JESUS por Helena
http://tiahelenanocoracaodejesus.blogspot.com.br/

24 JARDIM BOA NOVA por Kesia Lima
http://www.jardimdaboanova.com.br/

25 EIS-ME AQUI SENHOR por Márcia
http://catequistamarcia.blogspot.com.br/

26 CATEQUESE RENOVADA por Leno Martins
http://catequesejovem.blogspot.com.br/

27 MISSA COM CRIANÇAS PSBJ por Catequese PSBJ
http://www.catequese-psbj.blogspot.com.br/

28 FAMÍLIA PEDROSA por Família Pedrosa
http://familia-pedrosa.blogspot.com.br/

29 ÁGUAS PROFUNDAS Por José Prado
http://www.aguasprofundasevangelizacao.blogspot.com.br/

30 Catequizar com Jesus por Rodrigo Boechaat
http://catequizarcomjesus.blogspot.com.br/

31. CATEQUISTA ANGÉLICA por Angélica
http://catequeseparavida.blogspot.com.br/

32. VIDA NOVA por Ilze
http://moranguete-ilze.blogspot.com.br/

33 CATEQUIZANDO FELIZ por Cris Menezes
http://catequesedeeucaristia.blogspot.com.br/

34 CATEQUESE SÃO FRANCISCO DE ASSIS por Heberty Costa
http://www.catequeseitalva.com.br/

35 CATEBRINCANDO por Verginia//Lurdes

http://catebrincando.blogspot.com.br/

36 CATEQUESE COM AMOR por Rosane Viana

http://catequesecomamor.blogspot.com.br/

37 TIA PAULA por Ana Paula

http://tiapaulalimeira.blogspot.com.br/

38 CATEQUISTA ROBERTA por Roberta
http://catequistaroberta.blogspot.com.br/
39 EVANGELIZAR É PRECISO por Edite
http://kantinhodafe.blogspot.com.br/

40 PARÓQUIA NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO por Luciana Dias
http://jacozinhodosenhor.blogspot.com.br/


Consagração ao Imaculado Coração de Maria

Ó coração Imaculado de Maria, repleto de bondade, mostrai-nos o vosso amor. A chama do vosso Coração, ó Maria, desça sobre todos os homens! Nós vos amamos infinitamente! Imprimi no nosso coração o verdadeiro amor, para que sintamos o desejo de Vos buscar incessantemente. Ó Maria, vós que tendes um Coração suave e humilde, lembrai-vos de nós quando cairmos no pecado. Vós sabeis que todos os homens pecam. Concedei que, por meio do vosso materno e Imaculado Coração, sejam curados de toda doença espiritual. Fazei que possamos sempre contemplar a bondade do vosso materno Coração e convertamo-nos por meio da chama do vosso Coração. Amém.